Veja dicas para economizar no material escolar; diferença supera 600%

Despesa certa para quem tem filhos ou ainda frequenta a escola, o material escolar, ao lado dos impostos como IPTU e IPVA, quase sempre provoca um rombo no orçamento dos primeiros meses do ano. Estimativas da Fundação Getúlio Vargas dão conta de que o material escolar deverá subir cerca de 15% neste início de ano.

Mas quem não faz as contas pode acabar pagando 666% a mais em um mesmo item. Foi o caso do lápis preto, item para o qual encontrei a maior disparidade dentre todos os materiais pesquisados em sete papelarias (veja no final do texto a lista de lojas consultadas).

Em determinada loja, quem opta pela compra no atacado pode levar 12 unidades por R$ 3,70, ou R$ 0,30 cada um. Já quem faz questão de levar o conjunto de 3 lápis dos Rebeldes paga R$ 6,90, ou R$ 2,30 cada. Faça as contas e multiplique pelos mais de 50 itens que costumam compor uma lista de material.

Por isso, antes de sair às compras, o jeito é pesquisar e seguir algumas dicas para economizar.

Avalie os itens pedidos na lista
Verifique se ainda há materiais do ano passado em bom estado. Réguas, tesouras, mochilas, lancheiras ou fichários não precisam ser substituídos todo ano. Se a compra do ano passado foi no atacado, é possível que ainda tenham sobrado materiais como lápis, colas ou até mesmo cadernos.

Compre o que cabe no bolso
As escolas não podem obrigar os pais a comprar material de uma determinada marca ou em local específico. Isso se caracteriza como venda casada, uma prática proibida pelo Código de Defesa do Consumidor.

Fuja dos materiais da moda
Marcas ou desenhos famosos costumam ser muito mais caros. Quer alguns exemplos? Em uma mesma papelaria, uma caixa de lápis de cor com 24 cores pode sair por R$ 7,00 ou por R$ 22,50. Uma diferença de 214% a mais, tudo depende da marca escolhida.

Em outra loja, a caixa de 12 unidades de lápis preto nº 2 simples saía por R$ 3,70. Já se a escolha recaísse sobre o lápis da personagem Pucca, a mesma quantidade de lápis custaria R$ 7,80. E se a marca escolhida fosse Disney ou Menininhas, o preço saltaria para R$ 11,70. Uma diferença de 216,21% entre a mais cara e a mais barata.

É por isso que não é nada aconselhável levar as crianças junto. Elas sempre preferem os materiais mais incrementados - e caros.

Compre no atacado
Essa quase sempre é uma boa solução para economizar. Colas e lápis pretos são artigos que costumam ser gastos com muita rapidez, especialmente pelos menorzinhos.

Comprar seis unidades de cola bastão pode reduzir o preço do produto a R$ 2,30 a unidade, totalizando R$ 13,80 o pacote. O mesmo artigo pode custar R$ 4,20 em uma papelaria e alcançar os R$ 4,99 em outra. Diferença de 116% entre o mais barato e o mais caro.

Ou duas colas e meia.Muitos pais costumam comprar no atacado todo o material possível. Com isso, a economia pode ser muito grande.

Material de higiene não
Não compre, a menos que se trate de escova de dente e pasta de dente para uso exclusivo de seu filho. Nada de comprar papel higiênico, papel toalha, lenço de papel ou copo descartável para a escola. Isso é custo que a instituição tem de bancar.

Olho no "precinho" dos livros
De longe, são o item mais caro da lista. Compare preços nas livrarias e veja se consegue obter descontos se a compra for em conjunto com outros pais. A escola não pode obrigar que a compra seja feita na própria escola ou em livraria indicada, a menos que se trate de apostila exclusiva.

Pague à vista
Os descontos para pagamento à vista costumam ser muito bons e, mais importante, você não fica endividado. Em dinheiro, o desconto em algumas papelarias chega a 15%. Isso significa que se o material escolar saiu por R$ 200,00, por exemplo, você só desembolsa R$ 170.

Para pagamentos em cartão de crédito e débito, os descontos costumam ser menores, variando de 12% a 5%. Mesmo assim, vale a pena, considerando que o rendimento de uma aplicação na renda fixa tem dado cerca de 1% ao mês.

Papelarias e livrarias pesquisadas:.

Americanas (site).
Art Shop.
Caravelle.
Extra (site).
Lola Mar.
Kalunga (site).
Submarino (site)

Fonte: www.uol.com.br por
Sophia Camargo

Comentários

Postagens mais visitadas